Em LIFESTYLE, Papo de Quinta

Trabalhar para viver ou viver para trabalhar?

trabalhar para viver ou viver para trabalhar, por jessica cirino

Uma coisa que sempre me deixou impregnada de um misto de curiosidade, espanto e frustração é a tal mania que muitas pessoas têm de achar bonito viver para trabalhar.

Aquele orgulho de se ver sempre correndo, gerenciando múltiplos projetos, trocando água por café e energético, internalizando aquela (péssima) filosofia de que é no sufoco e na correria que a “mágica” é feita:

“A gente trabalha no momento; é tudo timing”.

“Nem tudo pode ser planejado”.

“Para ficar foda, é preciso dar o sangue”.

E todo aquele papo que a gente vive escutando por aí.

A justificativa é que aquilo tudo não é só por eles, pela própria carreira; é pelo time, pela missão. Estão trabalhando a mais para justificar o desinteresse e a falta de motivação do resto da equipe. São heróis.

E você, que preza pela sua saúde, pelo seu bem-estar, pela sua sanidade, e se recusa a colecionar horas extras, a virar noites correndo com o trabalho (que, com um pouco mais de planejamento, poderia ter sido feito com calma), se torna o vilão.

Não veste a camisa do time, é preguiçoso, não tem vontade de crescer; só faz o que está na sua descrição de cargo.

E aí você vai sendo coagido, se sente culpado por não trabalhar tanto quanto os outros.

Saiu do escritório antes das 20h? “Nossa, que vida boa!”.

Tá livre no sábado? “Uau, como faz para conseguir um cargo desses?”.

E ai de você se reclamar um pouquinho que seja dos vários projetos que está tocando dentro do “horário comercial”. Acha isso trabalho? Não sabe que eles fazem isso e muito mais?!

E os “heróis” da vida real se inflam de orgulho para falar sobre como estão cansados, porque só saíram da mesa de trabalho à meia noite ou nem mesmo chegaram a ir para casa.

E falam sobre como foi sofrido concluir cada projeto. Um paradoxo curioso, na minha humilde opinião: ao mesmo tempo em que reclamam sobre como nem sabem mais o que é dormir, sentem-se orgulhosos pelo sacrifício que são capazes de fazer pelo bem maior.

Não estão fazendo nada pelo mérito e sim pela equipe, mas não perdem a oportunidade de falar em alto e bom som sobre o Quanto. Eles. Trabalham… Coitados!

trabalhar para viver ou viver para trabalhar, por jessica cirino

Mas ninguém pediu por isso.

Ninguém disse que, para subir na carreira, fazer um projeto dar certo e garantir que o time cresça, você precisa abrir mão da sua vida.

Ninguém disse que é preciso parar de dormir, se alimentar bem, passar tempo com a família e os amigos, se sentir feliz em trabalhar e estar com a saúde em dia para que as metas sejam cumpridas.

Então, eu estou com a turma que prefere equilíbrio, que acredita que planejamento e bom senso são a chave para conseguir realizar as tarefas com calma e eficácia, e que, se não der pra fazer tudo, tá tudo bem.

Quando eu estiver mais velha e a saúde não for mais tão forte, e o tempo, o bem mais precioso que temos, for escasso, espero poder olhar para trás e me sentir orgulhosa da forma como o usei.

Claro, quero poder dizer que trabalhei duro para conquistar as coisas que tenho.

Mas também espero poder dizer que eu vivi.

Então, podem me chamar de preguiçosa e sem ambição, mas não voujamais, me desculpar por não querer viver para trabalhar.

(Ah, aos heróis que não lerão este texto porque não sabem o que é descanso ou estão trabalhando muito duro: meus sentimentos. Espero que, um dia, as coisas melhorem para vocês).


P.S.: Texto repostado da publicação que fiz, essa semana, para o meu perfil no Medium.

 

Comentários

comentários

Share Tweet Pin It +1
Previous PostBrigadeiro Tour | Paris: o sonho e as desventuras em série
Next PostPlaylist: in a good mood

2 Comentários

  1. Pink Yuri
    1 mês ago

    Eu amei esse post, mas sinto discordar em um ponto. Foi nos ensinado desde sempre que precisamos trabalhar muito para “ser alguém na vida”, que jamais chegaríamos a lugar nenhum se não fizéssemos isso. É muito bom poder abdicar de descanso e viver a vida, mas muitas, muitas pessoas mesmo, trabalham muito e mesmo que ganhassem uma semana de folga não teriam tempo para viver porque o dinheiro é pouco.
    Do que adianta ter tempo, ter uma “vida” se as contas vão ficar atrasadas? Não é como se as pessoas quisessem aquilo, elas não vivem para trabalhar, nem trabalham para viver. Elas trabalham para sobreviver, e isso posso falar com propriedade. Eu trabalho de segunda a segunda para ganhar um micharia por mês, eu ainda preciso estudar (o que não consigo ainda pq não tenho dinheiro para pagar o pré-vestibular) e provavelmente vou ter que recorrer a um segundo emprego porque meu salário não paga meu aluguel, estou sobrevivendo.
    Não tenho só minha renda mas a renda minha e do meu namorado só da pras contas e talvez assistir um filme uma vez a cada sei lá quantos meses no cinema. As pessoas não trabalham muito por que querem, mas sim por necessidade, pois o mundo está fadado a ser assim, está tudo caro e o pobre está cada vez mais pobre, tendo que trabalhar cada vez mais e não é para poder conquistar algo, é para poder comer e morar dignamente.

    Eu entendo seu ponto, mas é muito mais do que apenas um querer, uma vontade ou uma ambição, é necessidade.

    Beijos da Pink do blog Pink is not Rose 🖤

    Reply
    1. Jess
      3 semanas ago

      Ei, Carol!
      Muito obrigada pela visita e pelo comentário!
      Então, superconcordo com você e sei que trabalhar é, para muitos, algo que fazemos em volume superior ao que desejamos simplesmente porque precisamos. Quanto a isso, não há dúvidas e eu também tô na mesma que você; precisei criar um segundo emprego (mais os freelas) só para conseguir o dinheiro para fazer algo que eu queria.
      Minha crítica aqui no post é fruto de uma experiência bem próxima da realidade da minha carreira – de publicitária -, e que virou uma cultura replicada por outras tantas, que é a “necessidade” de se matar no trabalho para provar seu valor.
      Por isso as empresas exigem cada vez mais de estagiários, por exemplo, que são pessoas que deveriam estar ali para aprender. É essa coisa de ficar fazendo hora extra e julgar o colega ou agir como se o trabalho dele fosse menos significante só porque ele conseguiu sair às 18h do escritório, sabe?
      Para quem tá ralando porque precisa mesmo, fica apenas minha mais sincera admiração. Porque sei que só assim pra gente conseguir sair do lugar e conquistar as coisas.
      Um beijo, boa sorte e muito sucesso para você! 🙂

      Reply

Responder